Juros do rotativo: Veja o que são e como evitar

Para cuidar de forma adequada das suas finanças, é preciso conhecer todo tipo de tributação que pode estar sendo aplicada em suas compras. De forma a compreender melhor como funcionam seus gastos, como por meio de um juro rotativo em suas faturas.

Um ponto de cobrança que está diretamente associado à funcionalidade de um cartão de crédito, sendo assim um tributo que costuma estar presente na vida de todo mundo que usa desse instrumento financeiro, e que acaba por ficar refém de suas dívidas.

Até porque a relação que as pessoas têm com o dinheiro vem se modificando com o tempo, através das aplicações digitais principalmente, no qual por meio de um aplicativo é possível pagar suas compras e fazer transferências, tudo por meio do seu celular.

Mas anteriormente a isso, também existem outras modalidades que são importantes para a forma com que a sociedade lida com esses valores econômicos. Por meio de um novo sistema que impacta até mesmo como uma avaliação patrimonial é feita.

Pois assim como o dinheiro ganha novos formatos, passam a existir também novas maneiras de contabilizar e administrá-lo. Tanto para investimentos como para a realização de compras, que hoje podem ser feitas principalmente por um cartão de crédito.

Uma situação que faz com que o próprio mercado tenha que se adaptar, trabalhando com a presença de máquinas leitoras de cartão. Equipamentos essenciais para qualquer tipo de empreendimento, desde uma loja de roupas até mesmo para quem vende coco na praia.

Relação a fazer com que o dinheiro físico cada vez mais tenha uma circulação menor no mercado, com uma porcentagem crescente das transações econômicas sendo feitas por meio de método digital ou com o auxílio de um equipamento como o cartão de crédito.

A fazer com que serviços de informatica tenham uma importância recorrente junto dos mais diversos modelos de negócio, por auxiliar os mesmo a lidarem com sistemas que podem ser úteis para a gestão de suas atividades e valores arrecadados em seus negócios.

E para entender essas mudanças que ocorrem no setor financeiro, é preciso antes entender o porquê da população estar lidando com o dinheiro de maneira diferente. E a resposta mais básica para isso se chama praticidade. O que é trazido pelos cartões de crédito.

A função dos cartões de crédito para a população

Os cartões de crédito estão cada vez mais presentes nas carteiras e bolsas dos indivíduos, tanto no Brasil como no cenário internacional. Mesmo se tratando de uma aplicação que data desde o século XX, com os cartões entrando no mercado a partir da década de 20.

Inicialmente como algo a ser oferecido somente para clientes fiéis de uma loja, depois sendo repassados para os mais diferentes tipos de perfis de público, com o intuito de aumentar sua audiência consumidora, criando uma relação de crédito com esse público.

O que chega até os dias de hoje, nos quais os mais diferentes tipos de lojas podem oferecer algum tipo de cartão, trabalhando junto de alguma entidade bancária, com o objetivo de aumentar o ritmo de compras em seu estabelecimento, assim como no mercado em geral.

Sendo desta forma um elemento de grande importância para quem trabalha com algum serviço de contabilidade, que analisará os perfis de compras de cada cliente associado por meio de um cartão de crédito, permitindo entender melhor as motivações desse público.

Com tal aplicação financeira tendo importância principalmente por permitir um maior nível de acessibilidade em compras para quem possui tais cartões, com a possibilidade de parcelar uma compra permitindo muitas vezes que ela seja possível.

Principalmente quando se trata de algo de valor maior do que o rendimento mensal de uma pessoa, que somente por meio do cartão de crédito conseguirá comprar uma nova televisão, um novo celular ou qualquer compra que não seja uma necessidade direta.

E por mais positivo que seja a função de um cartão de crédito, nesse sentido, o que diretamente leva ao crescimento dele na sociedade, pode existir na população uma certa confusão sobre como funciona esse tipo de aplicação.

Pois diferente do cartão de débito, no qual o valor de compra é retirado diretamente da conta do portador desse cartão, no sistema de crédito é feita uma espécie de empréstimo pela instituição financeira que emitiu esse documento.

Que junto de empresas de sistemas, conseguem controlar esse tipo de transação eletrônica, gerenciando os débitos e créditos a serem formados entre os bancos e seus clientes, chegando a níveis que podem ser positivos apenas para essas instituições.

Principalmente em relação aos juros que podem ser associados a tais compras, como em um pagamento em atraso da fatura do cartão, ou por meio do valor mínimo, que é oferecido como uma opção para fugir da inadimplência, mas que pode acabar por piorar.

Isso tudo por causa da existência dos juros rotativos.

Como funciona esse tipo de taxa?

Os juros rotativos estão alinhados ao pagamento do chamado valor mínimo de uma fatura do cartão de crédito, no qual é pago ao menos uma porcentagem de 15% do valor total, com essa dívida sendo repassada para o mês seguinte, acrescido de uma taxa de tributos.

Sendo esses os juros rotativos, que podem crescer exponencialmente, dependendo de quantas vezes esse pagamento mínimo for realizado, pois além do adiamento das dívidas, é incrementado o valor de juros, feita em cima de cada conta já acrescentada de juros.

Com tal situação podendo atingir tanto uma pessoa física como uma entidade jurídica, tal como uma empresa de serviço de calibração, que usa de um cartão de crédito corporativo para cuidar das dívidas associadas aos profissionais que atuam nessa companhia.

Caso não exista uma organização por parte de quem possui tal cartão, é possível cair em uma rede crescente de dívidas, diante do crescimento da taxa de juros rotativos, aumentando assim sua dívida, podendo até mesmo multiplicar o valor gastos em compras.

Diante disso, foi instaurado a partir de 2017 um novo tipo de regulamento em cima desses juros, passando a existir a possibilidade de recorrer ao pagamento mínimo somente uma vez. Cabendo a companhia saber como negociar futuramente com esse cliente.

Permitindo assim com que sejam aplicadas taxas de juros menos agressivas, que ajudem esse cliente endividado a limpar seu nome junto da empresa, para o benefício de ambos os lados envolvidos nessa transação comercial.

Em uma situação que pode ser alcançada com o auxílio de um advogado direito do consumidor, ou até mesmo pelos próprios profissionais financeiros da empresa, a oferecer modelos acessíveis de pagamento.

Mas para que tal negociação sequer se mostre necessária, é preciso saber como se prevenir, para não cair na armadilha financeira que podem ser os juros rotativos.

Dicas para evitar esse tipo de juros

Para não ter nenhuma surpresa negativa ao receber a sua fatura mensal de cartão de crédito, com a presença dos tais juros rotativos, é preciso cuidar da forma com que você lida com esse cartão, para que ele traga facilidades e não problemas.

Algo que pode ser auxiliado por meio das seguintes dicas:

Controle financeiro

O primeiro passo para não se endividar com o cartão é saber controlar o seu uso, sendo preciso cuidar dos seus gastos. Para que assim suas dívidas não cresçam em um nível que supere o seu índice mensal de rendimento. Ou seja, não gaste mais do que recebe.

Planejamento de gastos

Por mais que o uso desequilibrado de um cartão de crédito possa resultar em altas dívidas, isso não significa que ele tenha que ser eliminado em sua vida. É preciso, contudo, ter um planejamento melhor em relação ao seu uso.

Como não fazer várias dívidas ao mesmo tempo, além de organizar as suas compras em ordem de importância, como a necessidade de um controlador de acesso para a sua empresa, ou a compra apenas de quadros decorativos, que podem vir depois, por exemplo.

Evite compras parceladas

Assim como o parcelamento pode facilitar uma compra, ele pode ser também a porta para uma série de dívidas, caso não haja um controle em relação a essas compras.

Por isso é importante deixar o parcelamento apenas para quando for necessário, além do uso de parcelas menores, já que muitas vezes existe um valor de juros a ser aplicado de acordo com a quantidade de tal parcelamento.

Cuide de suas finanças

Para evitar dívidas com o seu cartão, é importante antes organizar sua própria realidade financeira, algo a ser feito a partir da seguintes práticas:

  • Organização financeira;
  • Corte de gastos desnecessários;
  • Mudança de hábitos de compra;
  • Optar por produtos e serviços mais baratos.

Um conjunto de atividades que pode ajudar a controlar o uso do seu cartão pessoal, ou corporativo da sua empresa de soluções ambientais. Para que dívidas indesejadas não prejudiquem tanto a sua pessoa física como jurídica.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Cadastre-se para receber as próximas novidades!

Aguarde o carregamento…

0